terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Dossiê de LULA e CUNHA está na mãos da ex-esposa do deputado VALDEMAR COSTA (PR)


Maria Christina.




 A ex-esposa do ex-deputado federal (e um dos condenados do Mensalão) Valdemar Costa Neto (PR) pediu asilo político nos Estados Unidos. Conforme informa o jornal Folha de S. Paulo, Maria Christina Mendes Caldeira fugiu para o país levando apenas algumas roupas e uma cachorrinha vira-latas de cinco anos treinada para acompanhar pessoas com síndrome do pânico chamada Fé. A advogada e professora de Direito Internacional da Universidade de São Paulo (USP), Maristela Basso, afirmou que a mulher trocou sua identidade e está atualmente sob proteção do governo americano. 



Desde o ultimo dia 5 de aneiro, ela mora nos estados Unidos em locais desconhecido e teve a identidade trocada. Esta sob proteção do governo norte americano, que analisa seu pedido
de asilo politico.


 Advogada Maristela Basso, professora de direito internacional da USP que defende Maria Christina.


Segundo a defensora a mudança aconteceu porque Maria contou a autoridades
do pais que sobre ameaças no Brasil por ter em mãos um dossiê que atinge
o ex-marido e outros políticos presos, alem do Ex- presidente Lula Inácio da Silva
e Eduardo cunha ex presidente da câmara dos deputados.


Ela teria oferecido a papelada para procuradores brasileiro mas como não houve garantia de proteção, decidiu procurar ajuda no exterior

Segunda a Advogada Maristela, Maria Christina vai entregar a papelada para
departamento  de justiça do EUA documentos que descrevem operacoes financeiras
em conta e offshores (Empresas sediadas em paraísos fiscais) do ex marido e de
seus aliados políticos.


Os papéis revelariam também a existência de dois cofres alugados em bancos no
Uruguai e em Portugal, onde politicos brasileiros guardaria, diamantes de
operações feitas na Africas.


Advogada ainda não viu os documentos que sua cliente diz que possui,
mas garantiu que a denuncia nao e uma fantasia. os dados do dossiê teriam sido
obtidos por uma empresa americana especializada em rastrear atos de
lavagem de dinheiro e corrupção e degringolar. Por medida de seguranças copias
do dossiê foram espalhadas em cofres em cinco países.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Favor e Contra a PEC; Confira como votaram os senadores sobre a PEC do Teto de Gastos




A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do teto dos gastos públicos foi aprovada em sua última votação no Senado nesta terça-feira (13). A proposta foi aprovada por 53 votos a favor e 16 contrários em segunda votação. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não votou.


O resultado representa oito votos a menos a favor do governo na comparação com a primeira votação, em novembro, quando 61 senadores votaram a favor e outros 14 foram contra.




  1. Aécio Neves - PSDB-MG
  2. Aloysio Nunes - PSDB-SP
  3. Alvaro Dias - PV-PR
  4. Ana Amélia - PP-RS
  5. Antonio Anastasia - PSDB-MG
  6. Antonio Carlos Valadares - PSB-SE
  7. Armando Monteiro – PTB-PE
  8. Ataídes Oliveira - PSDB-TO
  9. Benedito de Lira - PP-AL
  10. Deca – PSDB-PB
  11. Cidinho Santos - PR-MT
  12. Ciro Nogueira - PP-PI
  13. Cristovam Buarque - PPS-DF
  14. Dalirio Beber - PSDB-SC
  15. Edison Lobão - PMDB-MA
  16. Eduardo Amorim - PSC-SE
  17. Eduardo Braga - PMDB-AM
  18. Elmano Férrer - PTB-PI
  19. Eunício Oliveira - PMDB-CE
  20. Fernando Bezerra Coelho - PSB-PE
  21. Flexa Ribeiro - PSDB-PA
  22. Garibaldi Alves Filho - PMDB-RN
  23. Gladson Cameli - PP-AC
  24. Hélio José - PMDB-DF
  25. Ivo Cassol - PP-RO
  26. José Agripino - DEM-RN
  27. José Aníbal - PSDB-SP
  28. José Maranhão - PMDB-PB
  29. José Medeiros - PSD-MT
  30. Lasier Martins - PDT-RS
  31. Lúcia Vânia - PSB-GO
  32. Magno Malta - PR-ES
  33. Marta Suplicy - PMDB-SP
  34. Omar Aziz - PSD-AM
  35. Otto Alencar – PSD-BA
  36. Pastor Valadares – PDT-RO
  37. Paulo Bauer - PSDB-SC
  38. Pedro Chaves – PSC-MS
  39. Pinto Itamaraty – PSDB-MA
  40. Raimundo Lira - PMDB-PB
  41. Reguffe – Sem Partido-DF
  42. Ricardo Ferraço - PSDB-ES
  43. Roberto Muniz - PP-BA
  44. Romero Jucá - PMDB-RR
  45. Ronaldo Caiado - DEM-GO
  46. Sérgio Petecão - PSD-AC
  47. Simone Tebet - PMDB-MS
  48. Tasso Jereissati - PSDB-CE
  49. Telmário Mota - PDT-RR
  50. Valdir Raupp - PMDB-RO
  51. Vicentinho Alves - PR-TO
  52. Waldemir Moka - PMDB-MS
  53. Wellington Fagundes - PR-MT

Conheça os 16 senadores que votaram contra a PEC:



  1. Angela Portela - PT-RR
  2. Dário Berger - PMDB-SC
  3. Fátima Bezerra - PT-RN
  4. Gleisi Hoffmann - PT-PR
  5. Humberto Costa - PT-PE
  6. João Capiberibe - PSB-AP
  7. Jorge Viana - PT-AC
  8. José Pimentel - PT-CE
  9. Kátia Abreu - PMDB-TO
  10. Lídice da Mata - PSB-BA
  11. Lindbergh Farias - PT-RJ
  12. Paulo Paim - PT-RS
  13. Paulo Rocha - PT-PA
  14. Regina Sousa - PT-PI
  15. Roberto Requião - PMDB-PR
  16. Vanessa Grazziotin - PCdoB-AM

PEC do Teto é aprovada em votação final e congela gastos por 20 anos

PEC 55 É APROVADA






Apontada pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB) como sua principal medida no campo econômico, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do teto dos gastos públicos foi aprovada em sua última votação no Senado nesta terça-feira (13).



A proposta foi aprovada por 53 votos a favor e 16 contrários na segunda votação, que contou com 70 senadores --o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não votou.



O resultado representa oito votos a menos a favor do governo na comparação com a primeira votação, em novembro, quando 75 senadores votaram (61 a favor e 14 contra). Por ser uma emenda à Constituição, a medida precisava de 49 votos para ser aprovada. O senador Dário Berger (PMDB-SC) foi o único a votar a favor na primeira votação e contra na segunda.



O líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR), disse que o governo obteve menos votos por conta das ausências de senadores da base. "Tivemos seis ausentes que votariam sim [a favor]", disse. "Em nenhum momento nós tivemos o risco de não ter 49 votos", afirmou.



O projeto, que congela os gastos do governo pelos próximos 20 anos, deverá ser promulgado em sessão do Congresso Nacional esta quinta-feira (15). Com a promulgação, o texto passa a ter força de lei

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Cunha é preso em Brasília por decisão de Sérgio Moro

Deputado cassado foi preso nesta quarta-feira (19).
Despacho que autorizou a prisão de Cunha é de terça-feira (18).




O ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi preso nesta quarta-feira (19), em Brasília, segundo a GloboNews. A previsão da Polícia Federal (PF) é a de que Cunha chegue a Curitiba no fim desta tarde. A prisão dele é preventiva, ou seja, por tempo indeterminado.





A decisão foi tomada no processo em que Cunha é acusado de receber propina de contrato de exploração de Petróleo no Benin, na África, e de usar contas na Suíça para lavar o dinheiro. Na segunda-feira (17), Moro intimou Cunha e deu 10 dias para que os advogados protocolassem defesa prévia.


O G1 tenta contato com a defesa do ex-presidente da Câmara.
De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), em liberdade, Cunha representa risco à instrução do processo e à ordem pública. Além disso, os procuradores argumentaram que "há possibilidade concreta de fuga em virtude da disponibilidade de recursos ocultos no exterior" e da dupla nacionalidade – Cunha tem passaporte italiano.


Para embasar o pedido de prisão do ex-presidente da Câmara, a força-tarefa da Operação Lava Jato listou atitudes, que conforme os procuradores, foram adotadas por Cunha para atrapalhar as investigações.


Entre elas, a convocação pela CPI da Petrobras da advogada Beatriz Catta Preta, que atuou como defensora do lobista e colaborador da Lava Jato Julio Camargo, responsável pelo depoimento que acusou Cunha de ter recebido propina da Petrobras.
O peemedebista perdeu o mandato de deputado federal em setembro, após ser cassado pelo plenário da Câmara. Com isso, ele perdeu o foro privilegiado, que é o direito de ser processado e julgado no Supremo Tribunal Federal (STF).



Processo



Moro retomou na quinta-feira (13) o processo que corria no Supremo Tribunal Federal (STF) contra Cunha.


Como o STF já havia aceitado a denúncia, Moro apenas vai continuar o julgamento do caso, a partir de onde o processo parou na Suprema Corte.
O processo foi transferido para a 13ª Vara da Justiça Federal no Paraná após Cunha perder o mandato de deputado federal.


Junto com o cargo, ele também perdeu o direito à prerrogativa de foro - o chamado foro privilegiado, que lhe garantia a possibilidade de ser julgado apenas pelo STF.
Agora, toda a ação penal contra o ex-deputado deverá correr nos trâmites normais do Judiciário para qualquer cidadão. Isso significa que o julgamento contra Cunha poderá passar por todas as instâncias até que seja definida uma condenação.


No despacho em que recebeu a denúncia, Moro fez questão de lembrar que o MPF retirou a acusação de crime eleitoral contra Eduardo Cunha. O motivo, segundo o juiz, foi o fato de que a Justiça Federal não poderia julgar crimes eleitorais. Isso cabe apenas à Justiça Eleitoral.


Cláudia Cruz, mulher de Cunha, já responde por lavagem de dinheiro e evasão de divisas na Justiça Federal do Paraná. De acordo com as investigações, Cláudia Cruz foi favorecida, por meio de contas na Suíça, de parte de valores de propina de cerca de US$ 1,5 milhão recebida pelo marido.



Esfera civil



Na Justiça Federal do Paraná, Cunha já responde a uma ação civil de improbidade administrativa, também movida no âmbito da Operação Lava Jato, que alega a formulação de um esquema entre os réus visando o recebimento de vantagem ilícita proveniente de contratos da Petrobras. A ação corre na 6ª Vara Cível.


Além de Cunha, são requeridos na ação civil a mulher dele, o ex-diretor da estatal Jorge Luiz Zelada, o operador João Henriques e o empresário Idalécio Oliveira.
Os advogados de Cláudia Cruz pediram, no dia 11 de outubro, que a Justiça rejeite ação civil pública de improbidade administrativa a que ela responde. O pedido da defesa diz respeito especificamente a ela

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Menor lamenta não ter matado garota após tortura em GO: 'Somos frouxas'

Ela e mais três meninas foram apreendidas; vídeo registra ato infracional.Delegada diz que ciúmes do ex de uma das suspeitas motivou agressões.




Uma das quatro menores apreendidas suspeitas de agredir e torturar uma adolescente, de 14 anos, afirmou que a ideia do grupo era matar a vítima. O caso ocorreu em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia e foi filmado por uma das autoras (veja vídeo). Segundo a Polícia Civil, as meninas, com idades entre 13 e 16 anos, confessaram o ato infracional. A motivação seria ciúmes relacionados o ex-namorado de uma delas.


Ao relatar o que aconteceu, uma das menores, de 14 anos, se indignou porque a vítima conseguiu escapar. "Todo mundo aqui estava com raiva dela. Porque ela não gosta da gente por causa desse negócio de namoradinho. No nosso pensamento, íamos bater nela, ela ia morrer e nós íamos enterrar ela. Só que aí não deu certo porque nós somos a frouxa, sabe. Nós não damos conta de começar o serviço e terminar", disse



Todas as envolvidas se conhecem e estudam na mesma escola. A menina foi atraída para a casa de uma das suspeitas na última quinta-feira (29) sob o pretexto que haveria uma festa no local. Ao chegar, no entanto, foi esfaqueada e agredida com pedaço de pau e um facão em uma sessão de tortura que durou quase 4 horas.


Até mesmo uma cova foi feita ano quintal da casa para que a menina fosse sepultada. “Elas me chamaram até a casa delas e, chegando lá, elas começaram a me bater, me amarraram, me mostraram onde eu iria ser enterrada. Nisso, me deram uma facada e me colocaram na cova. Pensava só que eu ia morrer", afirma.


A garota só conseguiu escapar depois de um descuido do grupo, que saiu para lavar as mãos – repletas de sangue – e deixou a menina sem nenhuma vigia. Ela pediu ajuda na rua, foi levada a um posto de saúde, medicada e liberada.


A mãe da menina torturada disse que as duas tiveram que mudar de casa depois do que aconteceu. "As cicatrizes dela são por fora, mas a minha vai ser por resto da vida. Eu não consigo. Até agora acho que não caiu minha ficha ainda", desabafa






Ex-namorado
Segundo a delegada Renata Vieira, responsável pelo caso, a vítima estava contando com a ajuda do ex-namorado de uma das suspeitas para organizar sua festa de 15 anos. O fato teria provocado ciúmes e culminado com a tortura.


"As menores afirmaram que a vítima ficou com esse rapaz. Esse seria o principal motivo. Elas eram colegas de escola, e uma delas a conhecia há pelo menos dez anos", disse ao G1.


Internação
O grupo foi apreendido e apresentado ao Poder Judiciário. O Ministério Público representou pela internação, que foi aceita pela juíza Karine Spinelli. "É assustador. Realmente eu ainda não tinha me deparado com uma situação dessa. E a gente observa a frieza nas confissões e a crueldade com que os atos foram praticados", afirmou.


Por enquanto, as garotas estão em uma cela isolada da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) à espera de vaga em algum Centro de Internação, onde devem ficar por pelo menos 45 dias. Esse é o prazo para o judiciário definir se elas devem ou não permanecer internadas.

Vídeo completo.
(Copia e cola no seu navegador)

http://g1.globo.com/goias/noticia/2016/10/menor-lamenta-nao-ter-matado-garota-apos-tortura-em-go-somos-frouxas.html


A delegada disse que as menores serão indiciadas pelo ato infracional análogo aos crimes de tortura e tentativa de homicídio. Se condenadas, podem ficar no máximo três anos internadas.